Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Eis aqui a sociedade barbosista ou, como queiram, a "Nova República" da Globo

Barbosa poderia ter-se considerado feliz e, como tal, não ter-se alinhado a esta elite secularmente escravocrata. Ao invés disso, tomou a forma de um extremista[ou ressentido, tanto faz] e, como tel, tem procurado vingar-se de lembranças do passado presentes que ele(Barbosa) não conseguiu superar e, desta forma, entregando-se aos escravocratas,  solapar as conquistas do povo brasileiro. E tem cometido erros, e vários erros, que vão desde a proteção de seu filho Felipe num processo em que provas da inocência dos réus o seu filho(Felipe) aparece, sendo que esta e outras provas foram desentranhadas do processo e jogados num inquérito paralelo sob segredo de justiça. Erros outros foram cometidos, como por exemplo negar o direito ao duplo grau de jurisdição, bem como manter sua gaveta lotada de outros casos que envolvia seu protegidos, como por exemplo o mensalão tucano, ação iniciada em 2003, o correto teria sido juntar os dois processos, o tucano e o petista, num só julgamento. 


Como se sabe, ao contrário dos petistas, os tucanos sangraram as estatais mineiras, enriqueceram-se com a res furtiva, "molharam" a mão de todo mundo(exceto dos pobres), inclusive de um ministro do STF, e há até a morte de uma modelo como esqueleto deste armário que Barbosa manteve fechado. Ao dizer estas coisas só quero dizer que é esta a "Nova República" da Globo, proclamada neste 15 de novembro por Barbosa no JN, com aquele show do camburão aéreo com os petistas sendo motivo de escárnio e zombaria, só se esqueceram dos 80 réus do mensalão tucano, o show midiático do mensalão teria sido mais atraente mas, como sabemos, essa moeda só tem um lado, a intenção mesmo foi dar a esta elite escravocrata a oportunidade de, a partir da palavra "mensaleiro", tripudiar, humilhar, tal como fizeram com a palavra "terrorista" na ditadura militar, o mesmo modus operandi, a elite é a mesma, os presos políticos são os mesmos, a população ignara é a mesma, os mesmos que saúdam a truculência de Barbosa, aplaudem o racismo nos santuários do consumismo, não mudou nada, assim a elite mantém inalterado seu status quo enquanto que um séquito de inocentes úteis aplaudem sem saber o que estão aplaudindo, eis aqui os mesmos que continuam aplaudindo os ataques de exibicionismo de um ministro ensandecido, mas saibam que um dia isso será desmascarado, nenhuma mentira perdura por toda a eternidade:

Momento 1: VISÃO.

Neste momento o estado visionário, como isso seria visto na cidade spin, onde há harmonia entre os sócios da sociedade(leia-se cidade-estado), que são os animais, os seres humanos e as pessoas jurídicas. Não há nada além destas três forças; Lá, o Poder Curador cuida de trazer à tona as contradições que porventura exista entre estes 3 sócios da cidade-estado no sentido de eliminá-las. Estas contradições são nossos bodes que muitas vezes jogamos para debaixo do tapete, nunca chegam ao nível do cognitivo, do conhecimento, tampouco passam pelo momento forma da visualidade.


Momento 2: FORMA 
Começa aqui o momento do contraste para vermos. Iustração ou arte, tanto faz. 
Polícia abordou vários jovens no shopping. (Foto: Divulgação)

Momento 3: CONHECIMENTO
A partir de agora o momento conhecimento, a vocação. O texto abaixo é sobre o spin jornalista. Jornalista ou verbalizador, tanto faz. Uma empresa, spin jornalista, pessoa jurídica, atribui seu erro às redes sociais, a conferir:
Um jornal que acusa, em seus editoriais, as redes sociais de serem histéricas e irresponsáveis, foi ontem refém de seu próprio moralismo. Agiu como o Rei do Camarote: “é preciso agregar valor. Tem de ter Instagram, álbum no Facebook”
20131201_100335
Nenhuma loja depredada no Shoping Vitória. Nenhum registro de qualquer tipo de violência ou crime. Nada. E a Polícia Militar do ES manda os meninos tirarem a camisa e sentarem no chão da Praça de Alimentação do shopping, para simular a estética do cárcere, quando presos são deixados nus expressando o êxito do “Estado de Direito” em arrancá-los a liberdade em nome da santa propriedade. Depois dessa humilhação, registrada no Instagram dos “micro reis dos camarotes”, a PM levou todos eles em fila indiana para, como Tiradentes, terem suas cabeças jogadas ao racismo inacreditável dessa gente cuja cultura se resume à casquinha do Bob’s, jóias da Vivara e à massa vagabunda da Spoletto, feita do trigo da elite capixaba, expropriadora e selvagem, cujo sobrenome é Buaiz.
Mas, em grande parte, o racismo foi potencializado pelas reportagens do jornalismo de Vitorinha. A “abordagem policial” do jornalismo online foi do mesmo nível do que a do Batalhão de Missões Especiais. O jornalismo online local fez o serviço de colocar, para o “respeitável público”, a farsa espetacularizada da PM.
 [video:http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=4nnztJMYtP4]
Consumidores de casquinha de Bob’s e jóias da Vivara aplaudem ação da PM dentro do Shopping Vitória. Racismo nosso de cada dia.
.
As reportagens (http://migre.me/gPx0L) de A Gazeta e de A Tribuna NÃO ESCUTARAM nenhum daqueles jovens que foram humilhados pela PM. Isso porque o jornalismo, cada vez mais, se faz sem rua. A escuta é telefônica ou via email. Contudo, a cobertura online do Gazeta Online se superou na audácia conservadora, praticando a facebookização do jornalismo online, se comportando igual a um dos trolls contidos na caixa de comentário de suas notícias. A reportagem, preguiçosa, assinada por Jaider Miranda, diz: “durante uma briga, um tiro teria sido disparado”. Teria sido? Foi ou Não? Que raios é esse tempo verbal no jornalismo? Que raios de editora, de nome Andreia Pirajá, é essa que deixou passar essa imprecisão, essa versão da Polícia? Continua a matéria: “a polícia foi chamada ao local para tentar conter um suposto arrastão”. Suposto????? Eu fico me perguntando: o jornalista fez a reportagem de onde? do telefone? Do chat do Facebook? Olhando a sua timeline comovida. Há passagens ainda mais surreais de total falta de clareza e retidão informativa: “Policiais armados entraram no shopping e fizeram várias abordagens”. Quais? Como? Por quê? O que encontraram?
Para coroar esse abordagem jornalística, criada para dar buzz aos trolls, o Gazeta Online cometeu, antes de qualquer checagem dos fatos, um ato de pura covardia. Criou um álbum de fotos no Facebook chamado Confusão no Shopping. Por que isso é covarde? Porque um álbum, desse jeito, sem contexto informativo algum, é apenas upado para que as pessoas compartilhem as imagens com suas “perspectivas”. É o estilo editorial cuja máxima é “o que rolou nas redes sociais”; e cuja mínima social se traduz em : ˜Toma aí as imagens, façam o que vocês quiserem com elas. Linchem quem vocês acharem cool. Bora curtir!”. O jornal fica omisso, jogando, de novo, para a plateia fascista fazer seus comments livremente. Um jornal que acusa, em seus editoriais, as redes sociais de  serem histéricas e irresponsáveis, foi ontem refém de seu próprio moralismo.  Agiu como o Rei do Camarote: “é preciso agregar valor. Tem de ter Instagram, álbum no Facebook”. Como um jornal de 70 anos publica imagens, sem NENHUMA informação, numa fanpage com 121 mil curtidas? Que nível de responsabilidade vocês possuem com essa fanpage? Nenhuma?
Um salve – apesar dos pesares – para o repórter Giordany Bossato, de  A Tribuna, que foi mais rápido, arrancando a confissão do secretário de segurança de Segurança Pública André “Batia”, que de modo silógico afirmou: “Durante uma abordagem houve um estampido, possivelmente provocado por uma bombinha”.  Isso teria sido a causa da correria.
E o funk continua sendo criminalizado tal como o samba era, nos anos 30, na Praça Onze.
Um bombinha. E um espetáculo racista.
———————————

Às 21h, do domingo, o jornal A Gazeta reviu sua abordagem sobre o acontecimento no Shopping Vitória. A crítica da gente – em rede – é sempre pedagógica.  Apesar do termo “clandestino”, para se remeter ao evento/funk, a reportagem responde bem a questão do meu texto matutino. O repórter descobriu que existe até uma associação de funkeiros.

E, bem apurada, mostra:

1. Não houve arrastão no Shopping Vitória.

2. Não houve tiros.

3. O que houve foi abuso policial (testemunhado) e cerceamento da liberdade de associação daqueles que querem curtir um pancadão nas ruas da cidade de Vitória.
Polícia e Shopping Vitória causaram esse alvoroço todo.

Bom quando o jornal muda e aceita as críticas. E o repórter mostra que sabe fazer jornalismo. Leia o texto na íntegra:http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2013/12/noticias/cidades/1470393-lojistas-e-funkeiros-criticam-acao-da-policia-dentro-do-shopping.html


Nota do SPIN:



Este assunto começou aqui



Shopping Vitória: Corpos negros no lugar errado



Atualização - 03/12/2013 - 12:36

Comentários




De Najla Passos, spin jornalista, humana, que trabalha na Agência Carta Maior, spin verbalizadora, pessoa jurídica: "Muito bom,  José Carlos Lima Spin. colocou os pingos nos ís...."

Nenhum comentário: