Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Fwd: Mensário de Marte, 2006. Capítulo 3


Mensagem original
De: jose carlos lima < jose.carlos.lima@hotmail.com >
Para: edson_barrus@ig.com.br
Assunto: Mensário de Marte, 2006. Capítulo 3
Enviada: 13/12/2005 13:09

1 ( cancelado )
.
.
.
.
.
2 Um versículo, ou mesmo capítulo, ou mesmo um mensário pode vir em branco
ao invés de escrever um mensário posso apenas passear
assim como fazer amizades
algo como sair para tomar banho
para ir, gostar, e não retornar
Tomar banho
Usar desodorante para não incomodar as pessoas
Ir ao psiquiatra
Quer tal desligar este computador?
É hora de ir para o trabalho
.


.
.
.
.
3 não vou usar palavras neste versículo
ao invés de palavras, uma apresent=ação
cadê o vídeomail?
Cadê os s eres vivos?
Moro numa casa inabitável=instável
Não existem seres vivos
Apenas mortos
Papéis
Troncos de árvore
Tintas
Cordões
Lápis
Pincéis
Tintas
E um mundo de pensamentos=idéias
E letras=palavras e mais letras=palavras
Quando na verdade as palavras não têm vida
Palavras mortas estas que estou escrevendo
Quando volto para ler o versículo anterior
Vejo o quanto as palavras não são precisas
Não são precisas as palavras
Porque=por que=por quê as palavras não são precisas?
.
.


.
.
.
.
.
4 às vezes sinto vergonha desta obra
Sofro disso
Vergonha do que os outros podem estar pensando=olhando=sendo
Como isto não fosse da realidade humana
Porque= por que=por quê envergonhar-me dos meus sintomas?
Desta minha incapacidade de estabelecer vínculos afetivos, amizade
Deste não ser capaz de cuidar de si, do próprio corpo=casa=coração?
Se vou ao Rio de Janeiro no próximo sábado?
Não sei
Só vou se eu puder ir de bermuda
Assim como entrar no avião, ir lá, escrever=apresentar=vivenciar um
versículo e voltar
.
.
.

.
.

5 Entrar numa lan house=net
Escrever um versículo=fragmento desta obra
E voltar
Voltar para casa
Tantos os papéis escritos jogados pelo chão
Tantas latas!!!!!
Tempos atrás, lá em Sambaiba – Rio Balsas, um cunhado, João Dantas=JD, me
perguntou
Ele: teu apartamento ainda é cheio de latas?
Eu: não....
Na verdade menti
Joguei fora
Mas com o tempo elas foram voltando
No lugar de gente viva, somente as latas
Objetos inanimados
Não são por acaso esquisofrênicos todos os ortonônimos?
Vou telefonar para um psiquiatra
Marquei com o Dr. Jorge Dahyer= JD
A consulta será no dia 5 de janeiro
Seja o que Deus quiser
Quem sabe assim eu pare de ser ansioso?
Quem sabe assim eu não morra de busca=burca?
Quem sabe assim eu seja mais feliz
.
.
.
.
.
6 Os ortônimos sofrem
Escondem seu sofrimentos nos nomes=personagens
Seria Fernando Pessoa um ortônimo=vários nomes=personagens?
( ) desconexão da realidade ou vivendo realidades formadas por seu
próprio pensamento, como por exemplo, um calendário próprio. E não apenas o
calendário como também o espaço geográfico
Qual o porque=por que= por quê de tanta inadaptação?
Os adaptados são felizes?
Preciso de que?
De fazer mais amizades?
Isto é impossível para um ortônimo
não estou conseguindo escrever o 5º versículo
Estou travando
Escrevo e cancelo logo em seguida
A seguir, leia o que cancelei
Você pode interferir
O que está escrito abaixo não pode ser levado em conta
TEXT O CANCELADO=CENSURADO=INCERTO
Relato de sonho
Nesta noite sonhei que a terapeuta tinha ido à minha casa
Ela foi como amiga
Ela conversou com minha mãe no quintal
Quis saber como eu era antes de nascer
esta coisa de querer saber da gente, não por nossa própria boca, mas através
os outros
Devo estar perdendo a noção do texto
E assim se tornando uma coisa pernóstica=prolixa=pro lixo
Que tal marcar uma consulta com um médico?
Ah, sim, falta relatar o final do sonho
Anexo: imagem ( cancelado )
.
.
.
.
6 ser simples
Escrevi esta frase no corpo
12 anos de idade
Esvaziamento afetivo
Sintoma de esquisofrenia?
A dor foi escrita=traduzida no corpo em forma de palavras
Palavras mortas
Imprecisas
Não são precisas as palavras
As palavras não são precisas
Porque=por que não são precisas as palavras
O beijo é preciso
A ciência é precisa
Melhor tivesse ido a um psiquiatra naquele dia de 1971
Para curar-me daquela poesia=patologia
Doce
.
.
.
.
.

7 ser carrancudo
Este foi o segundo versículo escrito no meu corpo=olho=ser
O primeiro versículo foi apagado
Em seu lugar foi escrito este
Segunda atitude
Apresent=ação, a presente ação
Na apresente ação deixo de ser simples
Sou carrancudo
e respondo com pedradas
uma pode servir tanto para espetar=matar como para massagear=curar
que o diga os acunpunturistas
e neste momento, usarei esta agulha para te espetar
Amargo
.
.
.
.
.
8 que tal baixar a velocidade da luz=ego=olho=ser?
Tenho andado tão veloz=ansioso!
Que tal parar agora?
Que tal tomar juízo?
Que tal amadurecer=ajuizar-se?
Que ir a um psiquiatra?
Quem sabe ser feliz?
Terapêuta: um psiquiatra não é bicho de 7 cabeças. Você já pensou se tivesse
feito isso aos 12 anos de idade?
Vivente: naquela época eu tinha 12 anos, eu tinha 12 anos de idade e você
sabe o que poderia ocorrer comigo se eu tivesse ido a um psiquiatra. Eu
assisti ao filme "Bicho de 7 Cabeças". Li o livro "Arthur Bispo do Rosário",
O Senhor do Labirinto, escrito pela jornalista Luciana Hidalgo. Sim. Sei
muito bem o que teria acontecido comigo. Eu sei que não é normal este meu
esvaziamento afetivo, esta minha incapacidade de amar, esta minha casa
inabitável, inacessível tantos os papéis, os objetos, coisas mortas
substituídas por coisas vivas, assim como esta marimba em forma de
serpente=chifre.
.
.
.
.
.
9 sair para a rua
Psiquiatra: vais sair mesmo?
Vivente: sim. Não sei quando volto
Talvez este versículo vire performance=ação=representação
Quem sabe no próximo sábado, no Rio de Janeiro
Ta lvez nunca, talvez eu não vá
E se eu for
Só vou se for para nada fazer
Apenas conhecer pessoas
Fazer amizades
E se eu tiver que fazer algo, será dentro deste livro=obra
Talvez um prato
Arte culinária
.
.
.
.
.
10 Que tal curar-se desta hipocondria que, quem sabe, talvez seja mais um
sintoma de esquisofrenia=ortonomia=obesidade=inflação=deflação=instabilidade
do ego=olho=ser?
Que tal curar-se deste TOC = Transtorno Obssessivo Compulsivo
Que tal diagnosticar esta sua doença
Talvez este seu alheamento=fuga da realidade seja esquisofrenia=esquisitice
Este viver em realidade inventadas
Este calendário
Esta geografia
Um mundo que, fosse real, você não aceitaria
Pois que nuncas aceitas a realidade=vida assim como ela é
Terapeuta: como vais?
Vivente: ansioso... esta minha incapacidade de fazer amigos....este meu
esvaziamento afetivo.... este meu mundo paralelo..... esta minha casa
inabitável por causa do meu vício, a escrita....esta minha incapacidade de
sociabilização.... esta minha busca=burca
.
.
.
.
.
11 Porque não escrever este versículo depois, quem sabe no próximo sábado,
no Res do Chão=Açúcar Invertido=Rio de Janeiro?
Porque=por que=por quê não uma apresent=ação ao invés de palavras? Que tal
por a mão na massa, assim como aquela arqueóloga, cujo nome não me recordo,
que organizou o Sítio da Capivara, um sítio arqueológico que fica perto de
São Raimundo Nonato, no Piauí. Ela disse na TV, spin verbalizadora, pessoa
jurídica, que é grande o descaso do governo para com o projeto. Pq não
curar-se=salvar-se? Pq não enviar estes versículos para o presidente da
república?
.
.
.
.
.


Abraço,

José Carlos Lima

Para não recebe r o próximo capítulo responda com cancelar

_________________________________________________________________
MSN Messenger: converse online com seus amigos .
http://messenger.msn.com.br

Nenhum comentário: